Pagamentos internacionais: tudo que é preciso saber

O ato de importar mercadorias, sejam peças ou produtos acabados, evidencia a busca pela competitividade no mercado. Justamente por sabermos da importância que essa atividade tem para você, importador, apresentamos neste texto uma espécie de guia que lhe ajudará a garantir uma boa performance no momento de realizar os pagamentos internacionais.

Boa leitura!

O que são os pagamentos internacionais?

Frequentemente chamado de remessa de divisas ao exterior, o tema em questão é um universo à parte, uma vez que além de indicar o formato da transação financeira, o pagamento internacional, em suas diversas modalidades, também serve para garantir a segurança da operação.

As regras inerentes a cada tipo de pagamento apresentam vantagens e desvantagens para uma das partes da negociação, ora o exportador, ora o importador.

Quais são os tipos de pagamentos internacionais?

Não é de hoje que os pagamentos internacionais criam certa tensão entre os empresários, afinal, este é um assunto que requer atualização constante. Veja, a seguir, os tipos de pagamento mais utilizados nas negociações internacionais.

Pagamento Antecipado

Nesta modalidade, o importador envia o pagamento da mercadoria ao exportador antes mesmo de receber a confirmação do embarque.

De fato, o Pagamento Antecipado é um tanto arriscado para o importador, pois neste caso ele não tem certeza de que o embarque da mercadoria aconteceu.

Esse tipo de negociação geralmente acontece no início do relacionamento comercial e, à medida que as relações se estreitam, o exportador disponibiliza formas de pagamento mais flexíveis.

Cobrança Documentária

A Cobrança Documentária é um procedimento padronizado que consiste em uma análise documental da mercadoria em questão e, para tanto, dois bancos são envolvidos na operação, sendo que um deles valida as informações do embarque e o outro faz a cobrança formal dos pagamentos internacionais. 

Na prática, o exportador se compromete em entregar o Conhecimento de Embarque e todo o jogo de documentos ao banco escolhido como banco remetente, que por sua vez emitirá uma carta de cobrança a ser anexada aos documentos apresentados e enviará a um outro banco. Este segundo banco é incumbido de formalizar a cobrança ao importador e por isso é chamado de banco cobrador.

Carta de Crédito

A Carta de Crédito, ou Letter of Credit (L/C), pode ser emitida com a condição de pagamento à vista ou a prazo e se trata de uma modalidade regulamentada pela Câmara Internacional de Comércio (ICC).

Devido ao rigor da operação, é a modalidade mais segura uma vez que a operação envolve no mínimo três instituições bancárias.

Em síntese, o importador é quem inicia o processo a partir da abertura de uma Carta de Crédito junto ao seu banco.

Posteriormente, um segundo banco localizado no país do exportador transmitirá a abertura do crédito e então passará a responsabilidade e o risco do crédito a um terceiro banco, que será o responsável por honrar o pagamento.

Remessa Direta de Documentos

A Remessa Direta, sem saque, consiste no envio do jogo de documentos originais da carga ao importador sem intermediação bancária, o que possibilita o desembaraço e a nacionalização da carga, e a mercadoria é enviada imediatamente ao desembarque. 

É a relação de maior confiança entre importador e exportador.

Boleto Bancário

Esta modalidade é menos burocrática e mais ágil, visto que envolve apenas uma instituição financeira na operação.

Na prática, o importador fará o pagamento de acordo com o câmbio atual e o valor convertido será creditado ao exportador.

Por mais simples que seja, na operação incide o pagamento de taxas referentes à operação cambial e Imposto sobre Operação Financeira (IOF).

O que é preciso para realizar os pagamentos internacionais?

É importante que se tenha em mãos a documentação necessária para realizar um pagamento internacional e zelar por ela, pois isso vai render agilidade ao seu processo.

Considere os seguintes documentos:

  • Conhecimento de Embarque, também conhecido como Bill of Lading;
  • Fatura Comercial, popularmente chamada de Commercial Invoice,
  • Romaneio de Carga ou Packing List; e
  • Declaração de Importação ou Exportação.

Além disso, ter o domínio dos processos é imprescindível, especialmente sabendo que o pagamento internacional conta com três etapas: contratação, negociação e liquidação. Acompanhe a seguir os detalhes de cada uma delas:

  • Negociação: É o momento de maior atenção ao mercado financeiro e antecede ao contrato de câmbio. As taxas são negociáveis, portanto, escolha a instituição financeira que apresenta a melhor taxa para concluir os pagamentos internacionais do seu negócio;
  • Contratação: Esta é a fase do fechamento de câmbio e consiste na conversão de moedas, resultando em um contrato contendo taxas de operação e impostos. Tratando-se de uma importação, o banco receberá uma ordem de pagamento;
  • Liquidação: É o termo utilizado para indicar que o câmbio foi finalizado e, consequentemente, a transferência internacional foi concluída. A conclusão se dará por meio da emissão do comprovante SWIFT, que nada mais é do que uma cópia do comprovante de pagamento.
pagamentos internacionais

Marco Cambial no Comércio Exterior do Brasil

De acordo com o Conselho Monetário Nacional, a Nova Lei Cambial já aprovada entrará em vigor a partir de 30 de dezembro de 2022.

Esta nova lei é considerada um marco por tratar de assuntos que visam flexibilizar as políticas de câmbio, já que atualmente essas leis são extremamente rígidas no mercado brasileiro.

A Lei nº 14.286/2021 foi concebida com a missão de desburocratizar as operações de Comércio Exterior no Brasil. Além de flexibilidade, traz inovação ao mercado cambial de forma a abrir caminho para pequenas e médias empresas que desejam começar o seu processo de internacionalização.

Dentre as principais mudanças no cenário cambial brasileiro, podemos citar:

  • a possibilidade de abertura de contas em moeda estrangeira dentro do território brasileiro;
  • o uso do real em transações internacionais;
  • permissão para qualquer pessoa física comprar ou vender moeda estrangeira, desde que respeite o limite de até 500 dólares;
  • a ampliação do limite relacionado ao porte de dinheiro internacional em espécie, que deixará de ser 10.000 reais e passará a ser 10.000 dólares.

A Titânia está desde 2014 descomplicando suas operações de Comércio Exterior

Somos uma empresa moderna que acredita nos benefícios da desburocratização e sabemos o quão desafiador é atuar no Comércio Exterior.

Formamos uma equipe de profissionais capacitados para lhe ajudar a escolher as melhores formas de pagamentos internacionais e outras estratégias imprescindíveis para que você tenha sucesso no seu negócio.

Ajudamos a sua empresa a se adaptar ao mercado internacional para focar no crescimento dos seus negócios.

Para saber mais sobre nós, entre em contato conosco!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn